Pular para o conteúdo principal

Perdão na tempestade...



























Eles estavam abraçados, tentavam se proteger da chuva e se esquentar, a caverna estava molhada, e de lá, se ouvia o som do mar que estava em fúria.
-Você está com medo? - ela perguntou o olhando com um pouco de receio, ele era o cara mais popular do colégio, ele nunca tinha medo, eles nem deveriam estar ali, só estavam abraçados para que o frio fosse embora. Ela era a menina maluca, a menina que nunca deveria falar com pessoas como ele, não os odiava, simplesmente fingia que eles não existiam, assim como eles faziam isso com ela, porque ambos os dois lados sabiam que se falassem alguma coisa, eles brigariam feio. Eles já tinham sido amigos, mas isso tinha sido há muito tempo.
-Sim... - ele murmurou sendo sincero não só com ela, mas consigo mesmo. Ela estava com a perna cortada, e ele sentia ela tremendo de frio em seus braços, ela estava com febre. E pela primeira vez em muito tempo, ele estava se importando com alguém além de si mesmo.
-Mas você nunca tem medo - ela falou o olhando um pouco assustada, e começando a sentir medo, e de um modo irônico ele sorriu. O destino realmente queria alguma coisa deles, era improvável as chances dos dois acabarem presos em uma caverna, e dele estar se importando com ela, agindo de um modo que ele nunca havia agido com nenhuma outra garota. Apenas com ela, mas isso tinha sido antes dele se tornar popular.
-Mas eu estou com medo - ele falou em resposta, virando o rosto dela para perto do seu.
-Medo do que? - ela perguntou, olhando para ele em seus olhos, ele a segurou mais firme, e tentou passar segurança.
-De não conseguir salvar você - ele murmurou no ouvido dela, fazendo com que uma segurança vinda de algum lugar distante, retornasse a garota. Ele havia esquecido de como os olhos dela, eram brilhantes, e seu sorriso especial. Ele havia esquecido que era ela que ele amava até estar naquele perigo. Ela não sabia o que sentir, seu coração batia acelerado, e suas pernas bambas sempre que o via, mas sabia que nunca teria futuro, e que ele era um idiota. Mas ali, ela via nos olhos dele, que ele era bom, corajoso, e que merecia amor, e confiança. E ela via, tudo o que eles tinham passado juntos há tanto tempo atrás.
- Mas não precisa ter medo, você não vai me perder - ela sussurrou fraca pra ele, mas com um sorriso intenso, que o fez sorrir sem pensar duas vezes, ele precisava dela acordada, e precisava que alguém viesse os salvar.
-Você promete que vai ficar bem? - ele pediu em um sussurro preocupado, ela suspirou e assentiu. Os dois começaram a conversar sobre algumas coisas irrelevantes, o tempo ia passando, e o frio ia aumentando, a garota estava cada vez mais fraca, o garoto podia sentir, ela cada vez mais fria, em seus braços.
-Eu prometi ficar bem, mas eu não estou mais aguentando - ela sussurrou fraquinho, ele a puxou para mais perto de si, ele não podia perder aquela garota, só ela conseguira fazer com que ele fosse, quem ele era, e que ele se sentisse muito bem, em muito tempo. Ele precisava dela, e agora ele sabia disso.
-Calma, vai dar tudo certo, aguenta firme meu amor, e tenha fé - ele sussurrou, ela piscou forte e o olhou um pouco confusa, ele havia realmente a chamado de "amor"? Ele sorriu, vendo que pensaram alto demais, mas não adiantava mais mentir, em menos de duas horas, naquela situação a beira da morte, ele havia se apaixonado por aquela garota.
-Do que você me chamou? - a garota perguntou com um sorriso tímido nos lábios, o garoto sorriu e aproximou o rosto dos dois, fazendo que tanto o coração dela, quanto o dele, aumentassem o ritmo de seu batimento.
-De meu amor - ele respondeu - Eu preciso de você, por favor, não me deixe, eu descobri que te amo, e descobri que por ser um idiota, eu abandonei uma pessoa maravilhosa - as palavras que ela nunca imaginava que pudessem sair daqueles lábios haviam agora sido pronunciadas, ela arfou, e sorriu - Você me desculpa por tudo o que eu fiz? Por te ignorar e nunca te defender?
-Eu queria entender, antes de tudo porque você fez tudo aquilo? Porque me abandonou sozinha, sem amigos, naquele colégio novo? - o que ele responderia? Tinha motivos? Não, ele nunca teve, mas ela foi corajosa e superou tudo, fez novos amigos, e enfrentou os que achavam que mandavam no colégio. Ele queria ser popular, e queria entrar em um universo que não combinava com a sua personalidade, ele não queria pisar nos outros e nem nada disso, mas havia se iludido, e tinha abandonado a unica garota que ele amou.
-Eu fiz, porque sou um idiota, eu só quero me redimir e ser uma pessoa melhor. Eu te amo, e só agora eu sei disso, é tarde demais, eu sei - ele murmurou, e ouviu um riso melodioso vindo de sua destemida, apesar de fraco, era o mesmo riso que ele se lembrava.
-Eu te perdoo se você prometer, nunca mais fazer de novo, e nunca mais esquecer de quem realmente você é - o que ela disse foi uma nova luz no coração do garoto, que sorriu, e a abraçou mais ainda, ela retribuiu.
-Eu te amo - ele sussurrou verdadeiramente, a garota ouviu novamente as três palavras que sempre quis ouvir, e sentiu seu coração bater em um compasso diferente, totalmente ritmado, e rápido.
-Eu te amo, também - ela respondeu, e o garoto a puxou para um beijo, que ela tanto esperara, e que ele estava desejando desde que se tocou que nunca amou nenhuma garota, porque a sua garota, sempre esteve ao seu lado, e ele a abandonou, mas agora, eles estavam juntos.
Os dois mal notaram, que naquele momento as equipes de resgate estavam chegando, e em poucos minutos, eles estariam socorridos e em casa. Eles ficariam bem, e mal sabiam eles, sobre tudo o que iria acontecer, mas de uma coisa, durante aquele beijo eles sabiam, que o amor, supera o tempo, e barreiras, que um verdadeiro amor, não se perde, ou se some, ele permanece lá guardado por toda a eternidade.

Por B.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 conselhos de alguém com quase 20 anos

Oi, tem alguém aí? Em dez dias eu faço duas décadas de existência. E isso é muita coisa, ou pouca, depende do ponto de vista. Mas do meu ponto de vista é um bocado, que só me diz que tem mais um bocado pela frente (Graças a Deusa), e que já aprendi muito, e que ainda tem muito a aprender. Nesses últimos 19 anos eu aprendi muitas coisas, mas a principal é que essa vida só tem significado enquanto estamos aprendendo algo, que cada dia é uma lição e que enquanto você não aprender a lição que a vida quer lhe dar você vai continuar sendo colocada nas mesmas situações. Eu sei que a maioria das pessoas acredita que só aprendemos na prática, mas não acredito nisso porque já aprendi muito com conselhos dos outros ou ouvindo histórias dos outros e evitando repetir o mesmo erro, afinal, mesmo que não fosse comigo a situação era parecida e o resultado provavelmente seria o mesmo. Digo isso porque vou compartilhar 20 coisas que aprendi ao longo desses quase 20 anos e acho que podem ser muito út…

Resenha: O poeta do exílio.

e
Sinopse: Pedro e Júlia estavam animados. Sua banda era finalista do festival estudantil Vozes de Classe. O regulamento exigia que as músicas se inspirassem em poetas brasileiros. Cada banda interpretou essa exigência à sua maneira. Precisavam agora animar a torcida. Os jovens criam cartazes, lançam torpedos, folhetos etc. E precisam também reunir informações sobre Gonçalves Dias, o autor do poema que deu origem à música classificada. Então, Pedro teve a ideia de criar um blog especial. Nasceu assim o BlogDoDias. Ali cabia tudo o que se relacionasse a Gonçalves Dias: poemas, cartas, artigos de jornal, documentos da época do poeta... Enfim, o blog agitou a galera e acabou se transformando em um completo dossiê sobre o poeta. No meio de todo esse agito, Pedro e Júlia parece que estão...Ah, os poemas de amor de Gonçalves Dias...
Certo, hoje de manhã a linda da coordenadora do colégio apareceu com os livros que iremos ler esse trimestre, eu nem um pouco metida, já li o meu livro, primeiro …

Internet Ruim e Nescafé

A internet ruim é algo irritante. Só cai e mal funciona, causando um mau humor danado para quem usa, e digo mau humor para os controlados, porque para os impacientes explosivos (como eu) passam raiva e acabam por se irritar e descontar em quem estiver por perto.
                O problema da internet que não funciona como deveria, é que ela nos engana, nos ilude e nos usa, deixando-nos ainda mais na frente do computador, para que por algum motivo continuemos a passar nosso tempo passando raiva e o gastando em algo que por não funcionar como deveria, é quase como não fazer nada.                 E também é assim o nescafé, ele deveria ser café, mas não é. Não tem o mesmo gosto, e deveria ter, ou assim, você é iludido a pensar. Mas o gosto é diferente, e para alguém que aprecia o bom café, entende o que estou tentando falar (ou não, minha mãe ama café e também ama nescafé... Acho que a culpa disso é por ela ser de gêmeos... Não que eu acredite em signos...).                 E por que es…