Pular para o conteúdo principal

Você acredita em anjos?

         Há muito tempo, em tempos esquecidos pelo homem, aconteceu um fato, que mudou toda a história da humanidade, um fato que ninguém aqté hoje sabe se é apenas uma lenda, ou se realmente aconteceu. E se aconteceu, ninguém sabe onde começa a história e termina a lenda, e onde termina a história e começa a lenda. Mas a verdade é que os poucos que chegaram perto de descobrir isso, desaparecerem.
        -Você acredita em anjos Anne? - perguntou a professora de religião para Anne Lucy Angelo, que dormia profundamente, a professora se obrigou a falar mais alto, e Anne acordou um pouco confusa.
        -Se eu acredtio em que? - perguntou Anne confusa e com a voz lenta por causa do sono, a professora a olhou com doçura, ela sabia que Anne ao contrário de todos os seus alunos, não era cristã e nem acreditava em muitas coisas.
         -Vou repetir a pergunta, preste atenção - Anne olhou a professora só com metade da atenção, o fato é que ela nunca havia prestado atenção em religião alguma, ela ainda não entendia muitas coisas, e havia coisas que realmente ela deixara de acreditar há muito tempo - Anne, você acredita em anjos?
         -Anjos? - Anne a olhou voltando sua atenção total para a professora. Ok, anjos, era um assunto complicado, seres luminosos do bem? È Anne não acreditava nisso, pelo menos sua parte lógica não, mas sua mente lhe dizia que existiam, e que ela acreditava. Anne realmente não sabia o que responder, como falar que não sabia se acreditava?
       -É Anne, anjos - alguma colega falou - Sabemos que ela não acredita professora, quer passar para outra pessoa a pergunta? - a professora olhou a colega e pediu silêncio.
        -Anne pode muito bem responder, e eu não tenho certeza se ela não vai te surpreender - a professora voltou a olhar para Anne, que estava pensando - Então Anne, você acredita ou não acredita?
        -Bem professora, não que eu não acredite em anjos, mas talvez o meu jeito de acreditar seja diferente dos seus, ou o do resto da turma - ela falou confiante, como se tivesse percebido alguma coisa. E realmente havia.
      Lembra como eu comecei esse texto? Podemos dizer que ela descobriu que realmente existiam anjos, mas não sabia se isso era invenção da mente dela, ou os seres humanos haviam transformado algo real em lenda.
        -E de que jeito você acredita nos anjos? - perguntou a professora curiosa, não era todo dia que uma aluna simplesmente saia contrariando o jeito que ela acreditava em anjos.
         -Eu acredito neles professora, não importa a forma, mas sim que eu acredito, eu sei que eles existem, mas não sei como eles são, pois o homem, através dos tempos mudou muito o seu jeito de ver as coisas, e suas crenças foram mudando com ele, exatamente por isso, eu acredito em anjos, mas não sei o quanto de suas lendas são reais e o quanto são fantasias humanas - e nessa hora o sinal bateu, indicando o recreio, e o fim daquela aula. Anne saiu sem ligar muito para o fato, ninguém nunca ligava para suas crenças, mas sua professora pensou no que ela disse.
       Realmente, muitas pessoas já duvidaram da existêmcia de muitas coisas, mas pelo simples fato de que as lendas humanas misturam a realidade e a fantasia. Mas mesmo assim, o importante é acreditar, porque enquanto alguém acreditar, toda lenda pode ser real.
      E você? Acredita em Anjos?


Texto de:
Bibiana Maria Pivato Carneiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

20 conselhos de alguém com quase 20 anos

Oi, tem alguém aí? Em dez dias eu faço duas décadas de existência. E isso é muita coisa, ou pouca, depende do ponto de vista. Mas do meu ponto de vista é um bocado, que só me diz que tem mais um bocado pela frente (Graças a Deusa), e que já aprendi muito, e que ainda tem muito a aprender. Nesses últimos 19 anos eu aprendi muitas coisas, mas a principal é que essa vida só tem significado enquanto estamos aprendendo algo, que cada dia é uma lição e que enquanto você não aprender a lição que a vida quer lhe dar você vai continuar sendo colocada nas mesmas situações. Eu sei que a maioria das pessoas acredita que só aprendemos na prática, mas não acredito nisso porque já aprendi muito com conselhos dos outros ou ouvindo histórias dos outros e evitando repetir o mesmo erro, afinal, mesmo que não fosse comigo a situação era parecida e o resultado provavelmente seria o mesmo. Digo isso porque vou compartilhar 20 coisas que aprendi ao longo desses quase 20 anos e acho que podem ser muito út…

Resenha: O poeta do exílio.

e
Sinopse: Pedro e Júlia estavam animados. Sua banda era finalista do festival estudantil Vozes de Classe. O regulamento exigia que as músicas se inspirassem em poetas brasileiros. Cada banda interpretou essa exigência à sua maneira. Precisavam agora animar a torcida. Os jovens criam cartazes, lançam torpedos, folhetos etc. E precisam também reunir informações sobre Gonçalves Dias, o autor do poema que deu origem à música classificada. Então, Pedro teve a ideia de criar um blog especial. Nasceu assim o BlogDoDias. Ali cabia tudo o que se relacionasse a Gonçalves Dias: poemas, cartas, artigos de jornal, documentos da época do poeta... Enfim, o blog agitou a galera e acabou se transformando em um completo dossiê sobre o poeta. No meio de todo esse agito, Pedro e Júlia parece que estão...Ah, os poemas de amor de Gonçalves Dias...
Certo, hoje de manhã a linda da coordenadora do colégio apareceu com os livros que iremos ler esse trimestre, eu nem um pouco metida, já li o meu livro, primeiro …

Internet Ruim e Nescafé

A internet ruim é algo irritante. Só cai e mal funciona, causando um mau humor danado para quem usa, e digo mau humor para os controlados, porque para os impacientes explosivos (como eu) passam raiva e acabam por se irritar e descontar em quem estiver por perto.
                O problema da internet que não funciona como deveria, é que ela nos engana, nos ilude e nos usa, deixando-nos ainda mais na frente do computador, para que por algum motivo continuemos a passar nosso tempo passando raiva e o gastando em algo que por não funcionar como deveria, é quase como não fazer nada.                 E também é assim o nescafé, ele deveria ser café, mas não é. Não tem o mesmo gosto, e deveria ter, ou assim, você é iludido a pensar. Mas o gosto é diferente, e para alguém que aprecia o bom café, entende o que estou tentando falar (ou não, minha mãe ama café e também ama nescafé... Acho que a culpa disso é por ela ser de gêmeos... Não que eu acredite em signos...).                 E por que es…